Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Futuro

As pessoas e as ideias por detrás das empresas. O Porto como ponto de partida.

Porto de Futuro

As pessoas e as ideias por detrás das empresas. O Porto como ponto de partida.

Potencial turístico da arquitetura ainda é pouco explorado no Porto

Há uma empresa que está a divulgar a arquitetura do Porto através de vídeos que querem chegar a novos públicos. Uma forma "leve e divertida" de explorar o potencial turístico desta área.

 

Tudo começou quando Sara Nunes, arquiteta, recebeu uma tarefa diferente quando trabalhava em Madrid. Teve que criar e editar um vídeo sobre uma exposição. Desde então, nunca mais parou e descobriu nas imagens em movimento uma paixão. Resolveu regressar a Portugal e criar o seu próprio negócio. A Building Pictures, fundada em 2014, é a única empresa do país especializada em vídeos de arquitetura.

 

Como tem sido o percurso da Building Pictures?

 

Sara Nunes: Tem corrido bastante bem, melhor do que o esperado. Não existe nenhuma empresa em Portugal que se dedique exclusivamente ao vídeo de arquitetura. Existem empresas que se dedicam à fotografia e, eventualmente, fazem vídeo. E o mesmo se passa lá fora. Também temos um diferencial, já que não acompanhamos apenas o projeto quando ele está terminado, acompanhamos também o processo construtivo. Além disso, fazemos vídeos sobre eventos, vídeos corporativos e publicidade para televisão.

sara.jpg

Sara regressou a Portugal para apostar numa ideia

 

Quais têm sido as principais dificuldades?

 

Sara Nunes: É sempre difícil estabelecer contactos. Faz-se propostas e negoceia-se durante imenso tempo. Não tinha a percepção de que alguns projetos demoram tanto tempo a avançar. A maior dificuldade que sinto é no contacto com os clientes. Tens quase de bater porta a porta. Apesar de que muitos dos projetos que fomos desenvolvendo nos deram divulgação e nos permitiram chegar a mais clientes.

 

Um destes projetos é a Arquitetura à Moda do Porto, que está agora a ser divulgado no site ArchDaily, um dos mais conceituados da área. Como surgiu esta ideia?

 

Sara Nunes: Surgiu pelo convite de dois grandes amigos para fazermos um documentário sobre a arquitetura da cidade do Porto, já que não havia nenhum. Mas logo comecei a perceber que iria ser um processo complicado, iríamos precisar de muitos apoios e, por ser um projeto paralelo, iria demorar muito tempo a ficar pronto.

 

Passado um ano, cheguei à conclusão: ou desistimos agora, ou fazemos um formato completamente diferente. Porque não aproveitar a facilidade de divulgar projetos na web e lançarmos uma série de vídeos, todos os meses. Em vez de contarmos só uma história, podemos contar várias histórias.

 

Acabaram por fazer dez episódios sobre várias temáticas e com 30 obras. Como tem sido a divulgação do projeto?

 

Sara Nunes: A nossa ideia inicial era fazer alguns episódios e tentarmos vender o resto. Não conseguimos a venda e decidimos, então, começar a divulgar o projeto através de uma série de parcerias. A primeira foi com o Turismo do Porto e Norte de Portugal, que passa os nossos episódios em todos os postos de turismo. Depois, conseguimos uma parceria com o CT Channel, um canal dedicado à arquitetura, que também passou os nossos episódios.

 

Como temos vontade de fazer esta série noutras cidades da Europa, resolvemos apostar numa divulgação mais internacional. Aí surgiu o contacto com a ArchDaily. Eles adoraram a ideia e todas as quintas-feiras passam os episódios nas suas plataformas. É uma forma de credibilizar o nosso trabalho. Curiosamente, depois deste reconhecimento internacional, veio mais algum reconhecimento nacional.

 

O episódio 10 da série

 

O Porto é uma cidade de grandes arquitetos e tem um património arquitetónico muito rico. Este ainda é um setor pouco explorado?

 

Sara Nunes: Há um tipo de turista que vem ao Porto só para ver a arquitetura. Mas, antes do nosso projeto, não havia nenhuma promoção da arquitetura do Porto. O Porto é vinho, é cidade histórica e o máximo que se promove, a nível da arquitetura, é a Casa da Música e Serralves.

 

É um setor pouco explorado, mas é também culpa dos arquitetos. Porque a comunicação que se faz é direcionada para um público muito especializado. Quem não percebe nada de arquitetura acaba por não entender e não achar interessante. A aposta nestes vídeos com um carácter mais leve e mais divertido acaba por chamar a atenção de outro tipo de público.

 

Estão incubados no Polo das Indústrias Criativas do UPTEC. Quais são as vantagens de estarem numa incubadora de start-ups?

 

Sara Nunes: Não estamos sozinhos, temos vizinhos que podem ser clientes, parceiros e colaboradores. Temos aqui um ambiente que nos permite desenvolver uma série de trabalhos e projetos. Há também uma grande quantidade de saberes e contactos, aliados à formação e à divulgação. Estas componentes fazem a diferença.

 

Fonte: Alice Barcellos/SAPO

Estes arquitetos querem provocar e surpreender através da criatividade

Quem passar pela área envolvente da Estação de São Bento vai deparar-se com uma malha metálica que envolve uma ruína esquecida. A Metamorfose é obra de um projeto de dois arquitetos “artistas” que têm ajudado o Porto a ser uma cidade mais provocadora e colorida.

 

Filipa Almeida e Hugo Reis dão corpo (e alma) à FAHR. A ideia surgiu quando os dois arquitetos regressaram da Alemanha com o desejo de investirem num projeto próprio que fosse o somatório de várias experiências e formações profissionais.

fahr.jpgHugo e Filipa no atelier da FAHR.

 

Começaram por criar esculturas em cabelos, construíram um pórtico com 50 mil garrafas, transformaram o São João numa festa de espelhos e numa estante de manjericos. São provocadores por excelência e querem continuar a surpreender, em Portugal mas também lá fora. Sempre a “estimular ambientes e a construir emoções” – a frase que usam para caracterizar a essência do projeto.

 

Como tem sido o vosso percurso, desde que tiveram a ideia para o projeto até à criação de uma start-up?

 

Hugo Reis: Temos tido um crescimento inesperado, mas no sentido positivo. Nós vínhamos com uma visão de trabalho de Berlim que depois não funcionou e tivemos que readaptar à realidade portuguesa. Mas, a partir do momento que percebemos qual era o nosso mercado e o campo onde queríamos trabalhar criativamente, as coisas começaram a fazer sentido. Foi nessa altura, início de 2014, que fizemos o programa de aceleração do UPTEC e candidatamo-nos a uma incubação dentro do Polo das Indústrias Criativas. Neste período, recebemos uma visão de negócio, de gestão e de empreendedorismo que nos ajudou a apontar a melhor as nossas baterias. Desde então, as coisas têm vindo a correr cada vez melhor. Temos já uma pessoa a trabalhar na parte de gestão da empresa, enquanto nós trabalhamos mais a parte criativa.

 

O vosso trabalho ganhou no início do ano muita visibilidade com a instalação Metamorfose, parte do projeto cultural Locomotiva. Como surgiu esta colaboração?

 

HR: Neste percurso de pró-atividade, a Porto Lazer foi um dos contactos que decidimos estabelecer e surgiu uma primeira oportunidade de trabalho, com as Flores de Manjerico, na Rua das Flores. As coisas correram muito bem e o trabalho teve um impacto muito interessante. Entretanto, surgiu o convite para este projeto, que hoje se chama Locomotiva, onde nos foi pedida uma proposta.

 

Filipa Almeida: Decidimos pegar no tema dos espaços em ruína, já que existem vários no Porto e que achamos que não devem ser só espaços esquecidos e decadentes. Fomos então desafiados a fazer uma primeira proposta para a ruína Oliva, ali na Estação de São Bento. É uma ruína com bastante história, porque é consequência de um rasgo no quarteirão, nos meados do século passado, para se fazer um acesso mais direto à Ponte D. Luís. Dali surgiu aquele vazio, quase como um corpo esventrado, acabando por ficar um espaço descaracterizado, mas que já faz parte do Porto. Daí surge a Metamorfose que é a combinação da ruína com a escarpa de granito que está ao lado. A ideia foi coser as duas coisas com uma malha digital, sem esconder o que está por trás.

19METAMORFOSE_FAHR0213 2.jpg

Vista geral da Metamorfose. Foto: FAHR

 

Qual tem sido o feedback das pessoas ao trabalho?

 

FA: O trabalho tem tido um resultado impressionante. Desde as pessoas que trabalharam connosco, que estão contentes e surpreendidas com o resultado, até mensagens privadas que temos recebido de pessoas a dar-nos um enorme obrigado porque estamos a dar dignidade aquele espaço.

 

HR: Acho que as pessoas ficam surpreendidas. Primeiro, por se intervir naquele espaço que já não era intervencionado há imenso tempo e depois por fazermos uma coisa tão estranha e tão pouco vista na nossa cidade, que é a trabalhar a irregularidade, explorar a forma e fazer ali uma rutura.

meta.jpg

A parte de engenheria foi feita pela NCREP e a iluminação por Zé Nuno Sampaio.

Fotos: FAHR

 

O facto de esta ser uma estrutura temporária, fica em exposição até junho, vai de encontro com o vosso trabalho criativo?

 

HR: A temporalidade permite-nos a disrupção. Permite-nos ir mais longe na experiência e na forma como encaramos um projeto. Se é temporário, podemos realmente fazer algo que provoque ou choque. Já que vai durar um período curto de tempo, tem que ser muito atrativo. O lado efémero e temporário permite correr mais riscos. A permanência exige outros cuidados para os quais também estamos preparados.

 

Quais têm sido os pontos altos do vosso percurso?

 

HR: O nosso primeiro projeto o Hairchitecture, um misto de brincadeira e loucura, com muito profissionalismo à mistura. Depois, a Estrutura de São João, em Guimarães, com balões espelhados em que retratamos a festa de uma forma diferente. O Glassberg, na Figueira da Foz, onde construímos duas grandes paredes com o recurso a 50 mil garrafas. A seguir, as Flores de Manjerico, no Porto, que teve um impacto urbano muito forte. Entretanto, surge a Metamorfose que é o projeto do momento. Nos próximos tempos, esperam-se mais intervenções da FAHR, mas nós não pretendemos a grandiosidade, pretendemos a qualidade e a surpresa. Acho que é isso que as pessoas precisam neste momento, serem surpreendidas e provocadas de alguma maneira.

 

 

O vosso trabalho tem dado frutos, até por existirem em Portugal poucos projetos deste género. Ainda há espaço no mercado para mais projetos como o vosso?

 

HR: Há espaço para toda a gente, até porque uma empresa não se pode concentrar só no Porto ou só em Portugal. A nossa ideia é começar a expandir e a internacionalizar. Venham mais projetos que ajudem a valorizar a nossa atividade e o nosso tipo de intervenção. Faz todo o sentido, desde que não se estrague o mercado ou não comecem a surgir banalizações e repetições.

 

Fonte: Alice Barcellos/SAPO

Indústrias Criativas: uma boa ideia pode valer 25 mil euros

O Prémio Nacional Indústrias Criativas está de volta para descobrir e premiar projetos inovadores. O vencedor recebe 25 mil euros e o passaporte para representar Portugal na Creative Business Cup, na Dinamarca.

1407384_11517070.jpg

As candidaturas abrem a 2 de fevereiro. Nesta sétima edição, o Prémio Nacional Indústrias Criativas (PNIC) vai ter um calendário mais concentrado, “o que imprime nova dinâmica no caminho a percorrer”, lê-se no site da iniciativa.

 

Arquitetura e artes visuais, música e artes do espetáculo, conteúdos e novos média, turismo e património são as categorias do concurso. Até 15 março, os candidatos podem enviar as suas propostas (ideias em início de vida ou projetos em desenvolvimento).

 

Os dez finalistas são conhecidos em abril e participam, de 11 a 15 de maio, no Workshop de Imersão Empreendedora, “uma ação de caráter intensivo e prático que permite aos candidatos desenvolver os seus modelos de negócio”, descreve o comunicado do PNIC. As ideias finalistas vão ter ainda a possibilidade de participar no programa The Next Big Idea.

 

Em julho, é conhecido o grande vencedor que recebe 25 mil euros para desenvolver ou investir no seu negócio, bem como a participação na Creative Business Cup, que se realiza em Copenhaga. Além do primeiro prémio, todas as categorias do concurso são distinguidas com uma menção honrosa.

Olá!

Seja bem-vindo. Se chegou até aqui veio à procura de ideias novas, negócios em ascensão e mentes criativas. Este blog é o lado mais visível da parceria entre o Portal SAPO e o UPTEC - Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto. Fique mais um pouco e sinta-se em casa :)

UPTEC

SAPO

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mensagens