Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Futuro

As pessoas e as ideias por detrás das empresas. O Porto como ponto de partida.

Porto de Futuro

As pessoas e as ideias por detrás das empresas. O Porto como ponto de partida.

O insucesso faz parte do empreendedorismo

Não é preciso estudar economia para saber como começar um negócio. As universidades investem cada vez mais em departamentos que podem elucidar os estudantes sobre o tema e mostrar casos de sucesso mas também de insucesso. Este é um dos objetivos do Clube de Empreendedorismo da Universidade do Porto (CEDUP).


Foi o primeiro clube de empreendedorismo universitário do país, surgiu em 2007, e hoje conta com mais de 600 membros. Além de organizar eventos sobre a temática, o clube faz a ponte entre os estudantes e outros organismos da Universidade do Porto (UP) que ajudam a transformar ideias em negócios. João Miranda, 23 anos, e Fernando Monteiro, 25, são antigos estudantes da Faculdade de Economia da UP e fazem parte da direção do CEDUP. Afirmam que existe muito “burburinho” à volta do empreendedorismo e que é preciso mostrar mais exemplos concretos.

 

Por que é que decidiram entrar para o Clube de Empreendedorismo da UP?

João: O clube existe desde 2007 e nos meses iniciais teve uma atividade muito bem trabalhada e desenvolveu uma série de eventos muito interessantes. No entanto, nos últimos tempos notamos que poderia haver mais trabalho a ser feito. Decidimos então apresentar um projeto nas passadas eleições e o Conselho Geral do clube decidiu eleger-nos e dar-nos este voto de confiança.

 

Qual foi o vosso projeto?

João: O potencial que nós achávamos que podia ser mais aproveitado era essencialmente a questão da concretização. Achávamos que existia, e ainda existe, muito ruído à volta do empreendedorismo e não são apresentados e estudados os reais casos de sucesso. Promovem-se as pessoas que falam mas não as que fazem realmente. O nosso projeto foi virado para o concretizar e foi o que fizemos no último evento que organizamos, a Semana de Promoção da Inovação e do Empreendedorismo da Universidade do Porto. Em vez de apresentar motivadores, apresentamos mais de 60 projetos e os seus promotores para dar uma ideia da parte mais prática de construir um projeto e ver as suas felicidades e dificuldades.

Qual é o papel do clube de empreendedorismo na Universidade do Porto?

Fernando: O clube serve como catalisador às ideias empreendedoras dos alunos. Estamos a viver um momento especialmente difícil, onde as oportunidades de emprego são poucas. Os recém-licenciados cada vez mais têm dificuldade de entrar no mercado de trabalho e o empreendedorismo é hoje mais uma saída. O que nós nos propomos a oferecer aos alunos da Universidade do Porto é demonstrar-lhes que é possível, motivá-los a criar algo e encontrarem alguma saída que não seja o estrangeiro. O clube faz também a ponte entre os alunos e os outros organismos da universidade, como o UPTEC, Parque de Ciência e Tecnologia, e o UPIN, gabinete de transferência de tecnologia, que podem depois ajudar a ideia a ser transportada para a realidade.

 

Hoje em dia os estudantes arriscam mais na criação de um negócio?

Fernando: A primeira opção de 99 por cento dos estudantes é ainda tentar arranjar um emprego por conta de outrem, por toda a estabilidade e por haver pouca coragem nos estudantes universitários. Já se sabe que é um risco, um aluno que saia de uma universidade para montar uma empresa. Despende dinheiro e tempo, ou seja, tem um custo de oportunidade elevado. Há faculdades em que o empreendedorismo ainda não é muito discutido entre os alunos, como Letras ou Farmácia. Nós já levamos casos concretos de sucesso a estas faculdades e isso serve para despertar mentes, para mostrar aos alunos que esta temática é atual e ainda há nichos e oportunidades que eles podem aproveitar na sequência da sua formação.

 

Empreendedorismo, uma palavra gasta?

João: Existe muito burburinho à volta do empreendedorismo e existe mesmo gente que ganha dinheiro a falar sobre o empreendedorismo. Na minha opinião o caminho não é esse. Acima de tudo as pessoas devem estar conscientes do risco que se corre a começar um projeto próprio e do trabalho que isso exige. Não basta ter uma boa ideia, porque boas ideias qualquer pessoa tem. O que vai diferenciar os que têm a ideia daqueles que têm sucesso é o trabalho e o compromisso que vão dedicar à própria ideia. Quando se fala sobre empreendedorismo, devia-se mostrar casos de sucesso mas também de insucesso. Muitas pessoas que hoje têm sucesso, já tiveram dois ou três projetos que falharam. No clube, tentamos motivar as pessoas mas também alertar para o facto de o empreendedorismo não ser um mar de rosas.

 

Alice Barcellos

Olá!

Seja bem-vindo. Se chegou até aqui veio à procura de ideias novas, negócios em ascensão e mentes criativas. Este blog é o lado mais visível da parceria entre o Portal SAPO e o UPTEC - Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto. Fique mais um pouco e sinta-se em casa :)

UPTEC

SAPO

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mensagens